A Reserva Técnica e o Restauro e Conservação

Content is available only in Portuguese. For more information contact us at feambra@feambra.org
01- Outubro - 2018

A Reserva Técnica e o Restauro e Conservação

 

Reserva Técnica

Vamos começar pela Reserva Técnica, que possui um papel essencial dentro de um museu e demais instituições que necessitem preservar objetos de qualquer espécie de alto valor, seja ele cultural, histórico, científico, etc.

De maneira geral, funciona como uma câmara de conservação e depósito ou, se preferir, um guarda volumes especial. As obras de arte são expostas ao público, mas sempre sob um controle rigoroso para evitar seu desgaste, entre outros tipos de danos. Ainda neste manejo, elas passam por um processo minucioso para evitar que sejam restauradas ao longo do tempo, pois é necessário que sejam contratados profissionais altamente qualificados devido ao risco de ocorrerem mudanças na própria obra, mesmo que imperceptíveis aos olhos do público. Ademais, o processo de restauração é difícil, delicado e custoso, sendo melhor acondicionar apropriadamente a obra, do que restaurá-la. 

O controle rigoroso aos quais são submetidas as obras de arte dentro de uma reserva técnica abrangem aspectos como controle de temperatura e higienização, para posteriormente serem guardadas com toda a segurança necessária. 

É importante esclarecer que cada tipo de obra terá seu acondicionamento específico conforme sua necessidade de preservação, também levando em conta sua dimensão, material, estado, etc. E assim como qualquer museu e outras instituições culturais, a reserva técnica possui acesso restrito, com o objetivo de evitar ao máximo possível contaminações por microrganismos e poeiras.

 

Restauro e Conservação        

Os próximos itens são restauro e conservação. Restaurar uma obra de arte significa reparar e preservar suas características originais, por meio de técnicas habitualmente utilizadas por restauradores. Em casos mais complexos, ainda pode haver a participação de historiadores, arqueólogos, médicos e aparelhos de diagnósticos, tais como raio-X e ressonância.

Nestes casos, há a necessidade de um trabalho científico que pode envolver a descoberta de características como datação, origem, tipo de material e seus aspectos, autor, etc. Também é possível chegar na autenticidade da obra e identificação de meras cópias, às vezes imperceptíveis por grandes conhecedores. 

É possível notar que o restauro está intrinsecamente ligado à conservação. Esta, por sua vez, mantém a obra sempre dentro dos parâmetros ideais para que possa, ainda por muitos anos e até mesmo séculos, ser admirada pelo público.

Exige-se, como vimos acima, metodologias e planejamentos como restauro, reserva técnica, segurança expositiva, controle ambiental, seguro contra desastres naturais, roubos, transporte e afins.

Em resumo, os processos de restauro e conservação servem como ferramentas múltiplas, para análise do estado da obra, bem como para reconhecer a sua autenticidade.

Créditos: Iara Conca e Jocelyne Harari