Voluntárias da Feambra falam sobre interatividade nos museus

Content is available only in Portuguese. For more information contact us at feambra@feambra.org
01- Novembro - 2018

Voluntárias da Feambra falam sobre interatividade nos museus

 

Nossas voluntárias Iara Conca e Jocelyne Harari falaram sobre a importância de haver interatividade em museus, por conta do uso da tecnologia, em artigo exclusivo para a Feambra.

Museus Interativos

A interatividade nos museus é uma tendência mundial e foi acelerada com a implantação das novas tecnologias que se popularizaram e se compactaram, ao estarem presentes no dia a dia de uma grande quantidade de usuários.

Neste movimento, as novas tecnologias se transformaram em um grande facilitador do aprendizado e conhecimento, em relação ao diálogo museológico com o público.

É fato que a tecnologia transformou o modus vivendi, possibilitando novas experiências, com o maior número de estímulos, em um menor espaço de tempo possível, sendo desnecessário o deslocamento.

Com esta inegável evolução tecnológica, os museus e centros culturais empenharam-se em modernizar seus ambientes, bem como a maneira de expor suas obras, respondendo à nova demanda da sociedade. Os projetos expo gráficos, por exemplo, tornaram-se mais participativos com novas práticas de interatividade.

Por consequência, os ambientes ficaram mais atrativos aos olhos dos visitantes, devido às novas formas de abordagens, tais como: oficinas para as diferentes faixas etárias de público; espaços expositivos extras, de acordo com a proposta da exposição, como um estúdio; bate-papos com os artistas expostos, curadores e demais representantes, etc. 

Assim, a ideia antiga de que museu, entre outros tipos de espaços, eram restritos somente às funções de guardar e preservar obras e objetos raros, como também intocáveis, caiu em desuso há muitos anos.

Quanto aos visitantes, novas medidas possibilitaram maior aproximação com as obras, despertando curiosidade, ampliando conhecimento e senso crítico.

É indiscutível, mas a tecnologia foi uma grande aliada neste processo: QR Code, telões, estações, áudio, computadores, espaços cênicos, catálogos, monitorias e diálogos contribuíram enormemente para o museu fornecer experiências inesquecíveis e relevantes ao desenvolvimento cultural e social.

O resultado final é surpreendente, porque a perspectiva é enriquecedora para a cultura brasileira.