Em Foco

16- Junho - 2010

Feambra lamenta morte de Suzana Rodrigues

Pioneira educadora de museus implantou atividades para crianças no MASP

A Feambra lamenta a morte de Suzana Rodrigues, pioneira educadora de museus. A convite de Assis Chateaubriand, ela implantou atividades de arte para crianças no então recém fundado MASP, em 1947.

Segundo Paulo Portella Filho, coordenador do Serviço Educativo do Masp, Suzana fundou o Clube Infantil de Arte, referência histórica para atividades artísticas para criancas no País.

“No MASP, foi responsável pela criação de atividades de teatro para crianças que se utilizavam de marionetes, inventados por ela, para animar sua prática de educadora no museu, e/ou  para apresentação fora da instituição, como para crianças enfermas do Hospital das Clínicas de São Paulo”, relata Paulo Portella.

Em 1972, a convite de Pietro Maria Bardi criou a exposição Brasil de Pedro a Pedro para o MASP e logrou trazer para o museu um recorde de visitação que somente seria quebrado pela expressiva visitação à mostra de Monet, no museu, em 1997.
Toda a coleção de bonecos, bem como cenários e dioramas, que integravam a mostra, hoje pertence ao Ministério da Cultura, por doação realizada nos anos 80, da Senhora Lily Marinho.

Ativa interlocutora com os integrantes do Servico Educativo do MASP, desde sua fundacão em 1997, inaugurou o Projeto Fazendo Arte no Hospital, desenvolvido pelo MASP no Instituto da Criança do Hospital das Clinicas da USP, inaugurou o Ateliê do MASP em janeiro de 1998, e em 2004 foi homenageada, no dia 18 de maio, Dia Internacional de Museus, com a re- criação do Clube Infantil de Arte -   que desde então leva seu nome em sua homenagem  - Suzana Rodrigues,  e que é destinado pelo Servico Educativo do MASP à filiacão de crianças de até 10 anos de idade.

Recentemente teve toda sua trajetória profissional - como educadora, jornalista, artista, criadora de marionetes - impregnada de iniciativas pioneiras, estudada numa Dissertação de Mestrado apresentada na Escola de Comunicações e Artes da USP.

Era uma  figura ímpar, e isto que hoje é tão comum, e presente, no programa dos museus do país-  as ações educativas para crianças - tem nela uma referência obrigatória.

Amiga de artistas, e intelectuais de seu tempo, como Pietro Maria Bardi, Lina Bardi, Chateaubriand, entre tantos outros, Guignard - pintou-lhe inclusive um belo retrato - foi uma mulher de enorme atuação no plano da cultura e das artes no país.

Deixa dois filhos. Foi casada com o artista Augusto Rodrigues, fundador da Escolinha de Arte do Brasil, no Rio de Janeiro.