Em Foco

10- Junho - 2010

Especialista garante o bom estado de conservação das peças de Rodin na Bahia

O renomado especialista em técnicas de conservação e restauração de obras de arte, Raul Carvalho, formado pelo Instituto Paulista de Restauro com especialização na Argentina e Estados Unidos em restauração e conservação e 20 anos de experiência
profissional, foi especialmente a Salvador para fazer apurado estudo sobre o estado de conservação das 62 peças originais de Auguste Rodin expostas no Palacete das Artes desde 26 de outubro de 2009.
Raul Carvalho foi indicado pelos restauradores do Rodin Paris para acompanhar todo o processo de transferência das obras que vieram para a Bahia e sua visita, que deveria ocorrer ordinariamente a cada ano de permanência das obras na Bahia,
foi antecipada para evitar informações improcedentes sobre pontos de ferrugem em algumas peças.
Para viabilizar a saída das peças da França, o Estado de Conservação (Condition Report) realizou Laudos Técnicos que são, segundo informações de Carvalho, “documentos, de fundamental importância para qualquer exposição, descrevendo o exato
estado de conservação de uma obra de arte no momento do empréstimo. Devem constar absolutamente todos os problemas pré-existentes, como craquelados, fissuras, perdas, manchas, áreas frágeis ou instáveis, etc. São elaborados sempre em conjunto,
ou seja, pelo conservador/restaurador da instituição emprestadora, e o conservador/restaurador da instituição solicitante. Ambas as partes examinam as obras e assinam, concordando com seu estado de conservação”, explica Carvalho.
Raul Carvalho foi ao Palacete das Artes, no dia 31 de maio, munido de equipamentos trazidos por ele próprio de seu escritório em São Paulo e, até o início da tarde do dia seguinte, analisou cuidadosamente cada peça, atestando que não ocorreu nenhuma
alteração no estado de conservação das obras que estão na Bahia. “A maioria das peças apresentam sinais de desgaste naturais a um processo de envelhecimento. Não há um problema com as peças aqui expostas, elas chegaram assim e se encontram
sem nenhuma alteração. As ferrugens já existiam desde Paris e não evoluíram”, concluiu o técnico.
A respeito da climatização feita nos salões do Palacete para controlar a umidade relativa do ar, Carvalho afirma: “É excelente. Esperava encontrar uma umidade relativa alta, beirando os 65%. Mas não, está em torno de 50 a 55%, o que é excelente para
uma cidade com a geografia de Salvador”.
Com recorrência, se tem noticiado que as peças que compõem o acervo da mostra "Auguste Rodin: homem e gênio", no Palacete das Artes, seriam “meras réplicas” sem autenticidade. Para Raul Carvalho este é outro grande equívoco veiculado pela imprensa
e afirma: “Originalidade em artes plásticas é relativa, ainda mais se tratando de escultura. Essas peças, que aqui estão, são consideradas como originais pelo Museu Rodin de Paris. Basta entender o processo criacional desse escultor. Ele esculpia no barro,
na argila. Depois esse entalhe ia para o gesso, uma espécie de forma, de molde, e se tornava a obra. Saliento a originalidade destas peças expostas na Bahia. Ao analisá-las encontramos rabiscos feitos de grafite pelo próprio Rodin, o que lhes confere valor
histórico e artístico imensurável”.