Em Foco

29- Setetembro - 2011

Diretora executiva do Museu do Futebol fala com exclusividade sobre o terceiro aniversário da entidade

Em comemoração aos três anos de portas abertas do Museu do Futebol, a Feambra entrevistou Clara Azevedo, diretora executiva da entidade. Entre os assuntos abordados, Clara mencionou o processo de amadurecimento do museu, alguns dos planos futuros, além de ressaltar a importância do setor educativo e da equipe de pesquisa para o sucesso instituição. Confira a matéria na íntegra.

        Museu do Futebol

Feambra: Durante esses três anos de portas abertas ao público, quais foram as realizações (exposições, palestras, projetos) mais marcantes?
Clara Azevedo: Ao longo destes três anos, o Museu do Futebol amadureceu, diversificou e ampliou a programação oferecida ao visitante. Considero marcante o fato de a maior parte das atividades (incluindo as exposições temporárias) serem desenvolvidas pela própria equipe do museu, altamente qualificada e com formação em diversas áreas do conhecimento. No ano passado, por exemplo, fomos co-organizadores de um simpósio que reuniu cerca de 200 pesquisadores que estudam futebol. Bate-papos, seminários, exposições temporárias, exposições itinerantes, encontro de colecionadores, sessões de cinema, oficina de férias e muitas outras atividades oferecidas pelo Museu já fazem parte da programação cultural da cidade de São Paulo e são acessíveis para o público em geral.

F: Qual é a importância do setor educativo e da equipe de pesquisa para o museu?
C.A.: O Museu do Futebol desenvolve um trabalho de fôlego nas duas áreas. A equipe de educadores, além de estar em processo permanente de formação e atualização, trabalha com visitas mediadas, jogos e atividades variadas. Os educadores do Museu têm como foco a relação do visitante com o acervo e buscam, junto ao público, aprofundar temas e provocar reflexões. O Museu do Futebol também investe muito na pesquisa e esse empenho tem resultado em projetos muito importantes para a memória do esporte. Em breve algumas dessas iniciativas terão ampla divulgação.

F: Quais são os futuros planos do Museu do Futebol?
C.A.: Consolidar-se como instituição que preserva, comunica e, sobretudo, discute com a sociedade o seu tema gerador, o futebol. Agora estamos cheios de planos por conta de 2014. A Copa já começou e o Museu está com projetos incríveis para, até lá, trabalhar a memória do futebol.