Guia Feambra

Fique por Dentro - Abril/2012




Nesta edição:

Evento mundial no Brasil termina ovacionado pelos participantes
Federação Mundial de Amigos de Museus elege seus novos representantes e leva uma imagem de profissionalismo e riqueza do Brasil

Principal museu francês de arte contemporânea mira no Brasil
Centro Pompidou mostra interesse pela arte brasileira e busca parceiros para trazer exposições temporárias ao País

Museu do Computador pede ajuda para voltar a abrir
Apesar do tema que tem milhões de aficcionados, entidade carece de apoio para conseguir viabilidade econômica em sua gestão

 

 

Evento mundial no Brasil termina ovacionado pelos participantes

 Como era nossa intenção, a delegação da Federação Mundial de Amigos de Museus deixou o Brasil com a melhor impressão em todos os aspectos. Puderam saber mais sobre nossa economia e os motivos que o Brasil a ocupar tamanho destaque no mundo atualmente. Também desfrutaram de um programa cultural único, com visitas a vários pontos de São Paulo, além de museus e coleções particulares.

O evento no Brasil ainda elegeu os representantes da WFFM para o próximo triênio 2012/2015:

Presidente da WFFM: Daniel Ben-Natan (Israel) - atual Presidente da WFFM

Vice-Presidente da América do Sul: Sofia Weil de Speroni (Argentina) - atuante na Federação de Amigos de Museus da Argentina (FADAM)

Vice-Presidente da América do Norte: Elias Sacal Cababie (México) - Presidente da Federação de Amigos de Museus do México

Vice-Presidente da Europa: Ekkehard Nümann (Alemanhã): Presidente da Federação de Amigos de Museus de Artes da Alemanha

Vice-Presidente da Asia, África e Pacífico: Suk-Mynn Yoon (Coréia) - Vice-Presidente da Federação de Amigos de Museus da Coréia (KFFM)

Tesoureiro WFFM: Murray Tarnapoll (EUA) - atual Tesoureiro da WFFM

 

Principal museu francês de arte contemporânea mira no Brasil

Os olhos do Centro Pompidou estão fixados no Brasil. O principal museu de arte contemporânea da França vem trabalhando silenciosamente em território nacional para encontrar parceiros locais e trazer ao País exposições temporárias que levem sua marca. Enquanto isso, em Paris, a prestigiada instituição adota uma 'política ativa' de aquisição de obras brasileiras. Quer tornar mais robusta a presença do Brasil em seu acervo.

O recém-reeleito presidente do Pompidou, Alain Seban, enaltece a cena de arte contemporânea brasileira e a classifica como 'uma das mais apaixonantes do mundo'. Revela ainda qual é a estratégia do museu para estreitar relações com o País: o investimento em novas aquisições e a exibição de parte de seu acervo por aqui.

 

 

 Museu do Computador pede ajuda para voltar a abrir

 

Em entrevista exclusiva, a Feambra ouviu o curador do Museu do Computador, José Carlos Valle, a respeito de sua larga experiência com tecnologia, seu trabalho e os principais desafios para manter a entidade. Confira:

Feambra: Como começou seu interesse e sua história frente ao Museu do Computador?

José Carlos Valle: Tenho 50 anos de história da tecnologia, vivendo diretamente seu dia a dia. Para dar uma ideia, quando a Comdex começou, em 1978, na cidade de Nova York NY, eu já era técnico sênior da Ecodata SP, e o Steve Jobs estava lançando o Apple II. É uma longa história. Fui o primeiro técnico a consertar um Apple II original em 1982. O cliente é meu amigo até hoje.

Com este percurso, fundei e sou o curador do Museu do Computador, desde 1998. Além disso, sou pioneiro em reciclagem do lixo eletrônico. Com este foco, preservamos a nossa história da tecnologia e salvamos o meio ambiente.

 

F.: Qual o acervo do museu e suas principais dificuldades?

J. C. V.: Temos mais de 15.000 itens armazenados. O museu atualmente está fechado por falta de apoio, patrocinadores, estamos sem gestão, sem captadores de recursos para reabrir o Museu.


F.: Como é possível ajudar o museu?

J. C. V.: No momento, precisamos de alguns itens para manter o acervo. Os mais urgentes são 80 Prateleiras de aço, 500 cestas de plástico para armazenar livros, manuais, CDs etc e um veículo (do tipo pickup, mesmo usada), para o recolhimento das doações, que são diárias. Além disso, para trazer renda ao museu é fundamental que eu consiga dar palestras e participar de eventos em universidades, colégios, shopping centers, empresas etc.


F.: Como voluntários pode ajudar o museu?

J. C. V.: Há muitas formas para voluntários ajudarem o Museu do Computador. Uma é a captação de recursos nas leis de incentivo fiscal. Outro exemplo de atuação essencial ao museu é a divulgação dele na internet. Hoje o museu tem um site modesto, que precisa ser atualizado, inclusive com ferramentas para que nossa entidade possa receber doações em dinheiro. 

  

Museu do Computador
www.museudocomputador.com.br
Tel.: (11) 4666.7545