Notícia

17- Junho - 2013

Brasil recebe pela primeira vez a Conferência Geral do ICOM

 

Em agosto, a cidade do Rio de Janeiro será sede do principal encontro internacional de profissionais de museus

 

  
No mês de agosto, a cidade do Rio de Janeiro receberá, pela primeira vez em sua história, a 23ª Conferência Geral do Conselho Internacional de Museus (ICOM). Um dos maiores encontros entre profissionais da área museológica, a Conferência será palco para a troca de informações e experiências e também uma grande oportunidade de confirmar o Brasil como potência mundial do segmento museológico.
  
A Feambra conversou com o Prof. Carlos Brandão, responsável pela coordenação do ICOM Rio 2013, para entender um pouco mais sobre os objetivos do evento, as expectativas da organização, entre outros temas. Confira a entrevista abaixo.
 
Feambra: Esse é o primeiro ano em que o Brasil recebe a Conferência Geral do Conselho Internacional de Museus (ICOM). Qual é a expectativa de vocês com relação à organização e à realização do evento?

 
Carlos Brandão
: A expectativa do Comitê Brasileiro do ICOM em receber pela primeira vez a Conferência Geral é enorme. O Brasil participa da entidade desde a reunião histórica de fundação do Conselho, realizada no Museu do Louvre, em agosto de 1946, anos antes de fundar o seu comitê nacional em janeiro de 1948. O ICOM sempre foi referência no Brasil quanto aos padrões éticos e técnicos que os museus devem adotar, porém, mais recentemente, o desenvolvimento de uma personalidade museológica brasileira tornou o país um polo de atração para profissionais filiados ao Conselho no mundo todo.
 
Esperamos forte participação de colegas da América Latina, em especial do Brasil, pois será uma oportunidade única de aperfeiçoamento profissional e de estreitar relações com colegas vindos de outras realidades.  
 
F.:  Quais são os objetivos da Conferência? E qual será o tema central que norteará as atividades?
 
C.B.
: O principal objetivo da 23ª Conferência Geral do ICOM é compartilhar experiências e boas práticas profissionais que possam ser transferidas a diferentes realidades. Além disso, também buscamos a promoção do networking, isto é, a implantação e o fortalecimento das ligações profissionais e pessoais entre os mais de 30 mil profissionais de museus, dos 140 países em que o ICOM está presente. 

 

  
Para marcar o interesse do profissional de museus do Brasil e sua forte preocupação social, o tema escolhido para a Conferência será 'Museus (Memória + Criatividade) = Mudança Social', equação matemática também utilizada na 11ª Semana Nacional de Museus. Com isso, buscamos sinalizar a importância da preservação do patrimônio e da memória que, tratados com criatividade pelo museu, estimulam a mudança social nas comunidades em que estão inseridos.  
 
F.: O que será contemplado na programação, ao longo dos sete dias de evento? Qual é a média e perfil de público que a organização espera receber?

 
C.B.
: A Conferência do Rio pretende inaugurar uma nova geração de encontros trienais do ICOM, privilegiando discussões conceituais. Para materializar esta ideia, as reuniões de cunho mais burocrático (Assembleia Geral, Comitê Consultivo, Comitê Executivo, alianças regionais e comitês internacionais) serão concentradas no final de semana que antecede a Conferência - 10 e 11 de agosto - ou ao final do evento - dia 17 de agosto.
 
Os dias 12, 13 e 14 serão dedicados às plenárias, que terão a participação de convidados internacionais de destaque na área dos museus e da memória, como Ulpiano  Menezes, Jorge Wagensberg, Jorge Melguizo e Mia Couto, e também às reuniões científicas organizadas pelos comitês e por outros corpos do ICOM. No dia 15 (quinta-feira), grande parte dos comitês promoverá reuniões nos museus do Rio, disseminando a Conferência pela cidade. Por fim, o dia 16 (sexta- feira) será dedicado às excursões pela cidade, privilegiando atrações culturais e museus. A programação noturna contemplará festas, recepções, entre outros eventos sociais.
 
Hoje, a dois meses da ICOM Rio 2013, já temos quase 1.500 inscritos, vindos de mais de 110 países. Esperamos cerca de 2.500 participantes, sendo que 2.000 devem vir do exterior.  
 
F.: Ao longo dos últimos anos, o Brasil vem atraindo muitos olhares estrangeiros devido aos grandes eventos esportivos que serão realizados por aqui. Você acredita que essa influência foi fator motivador para que o Rio de Janeiro se concretizasse como sede da 23ª Conferência Geral do Conselho Internacional de Museus (ICOM)? Qual foi o processo que culminou na escolha da cidade?

 
C.B.:
O fato do Brasil ter sido escolhido para sediar grandes eventos esportivos colabora para fortalecer a imagem do País, que se qualifica para receber estas reuniões, entre elas a do ICOM. É importante, no entanto, reconhecer que o campo dos museus no Brasil mostra hoje inovações que atraem os profissionais de museus do mundo todo, como no caso dos museus de comunidade, da museologia social e dos projetos de novos museus com formatos e conceitos inéditos. Acompanhando as discussões internas aos comitês internacionais do ICOM, que são temáticos e organizados por disciplinas, o papel dos profissionais brasileiros vem se destacando cada vez mais dentro deste cenário. 

 
O processo de escolha do país e cidade sede da Conferência do ICOM assemelha-se ao processo de outros grandes eventos internacionais. Inicialmente é lançado o convite a todos os países membros, contendo a organização de propostas conceituais, logísticas e financeiras, visita de delegação às cidades proponentes. No caso do ICOM, também há o julgamento e indicação da cidade escolhida pelo Conselho Consultivo, referendada pela Assembleia Geral. Concorremos com as cidades de Moscou e Milão, e esta última foi agora escolhida para sediar a 24ª Conferência, em 2016.  
 
F.: Assim como o ICOM Brasil, a Feambra também foi escolhida para organizar e realizar a Reunião do Conselho e Assembleia Geral da Federação Mundial de Amigos de Museus, no ano de 2012. Você acredita que essa escolha é reflexo da força e reconhecimento que o Brasil vendo ganhando no segmento museológico? De que forma o tema 'amigos de museus' será abordado durante a programação do ICOM Rio 2013 e como você vê a participação dos amigos de museus para o êxito das instituições?

 
C.B.:
Como dito anteriormente, o Brasil vem atraindo atenção em todo o mundo, tanto nos temas relacionados aos museus, quanto aos amigos de museus. O ICOM reconhece o papel fundamental dos amigos de museus e suas associações nacionais e internacionais no fortalecimento das instituições museológicas e na sua crescente relevância nas sociedades onde estão inseridos. Este tema, portanto, encontra ressonância em todos os aspectos que estarão em discussão na ICOM Rio 2013.
 
Alguns comitês debruçam-se mais especificamente sobre este assunto, como é o caso do MPR (Marketing e Relações Públicas), que trata da relação dos museus com seus públicos, mas trata-se de tema transversal que será investigado em diversos momentos. A organização do ICOM Rio 2013 é responsável pela execução da Conferencia, deixando a definição de temas a cargo dos comitês.  
 
F.: Todos os interessados poderão se inscrever? Como é o processo e pré-requisitos para a inscrição?

 
C.B.:
Pela primeira vez na historia das Conferências do ICOM, a inscrição foi aberta a não membros, ressalvando que a política de tarifas estimula estes não membros a se associarem. Outro fator inédito é a possibilidade de inscrição por dia, permitindo que aqueles com interesse mais específico possam participar. Buscando também atingir maior inclusão, que é um dos princípios da Conferência, o ICOM oferecerá 113 bolsas para a comunidade internacional de seus membros (60 financiadas pelo ICOM Brasil), meia tarifa para estudantes brasileiros e promoverá ainda a disseminação eletrônica das reuniões, além de divulgar os resultados na forma de gravações de áudio e vídeo e de material impresso. O processo de inscrição foi, portanto, facilitado e pode ser feito via a página eletrônica (www.icomrio2013.org.br).
 
O ICOM Brasil convida a todos os profissionais que trabalham em museus ou em prol dos museus a compartilharem suas experiências com colegas do mundo todo. Sejam bem vindos!