Comunidade

06- Outubro - 2014

Saiba mais sobre as atividades do Museu Judaico do Rio de Janeiro

A Feambra teve a satisfação de conversar com um de seus mais recentes associados, O Museu Judaico. O diretor, Max Nahmias nos concedeu a seguinte entrevista. Confira:

Feambra: O que é o Museu Judaico do Rio de Janeiro? 

Max Nahmias: O Museu Judaico do Rio de Janeiro, fundado em 1977, é um centro cultural dinâmico, integrado à vida da cidade, com atividades estruturadas em torno do binômio preservação da memória/dinamização da cultura judaica. 

Feambra: Que tipo de material o museu exibe?

Max Nahmias: O museu mantém exibições permanentes sobre a história da comunidade judaica no Rio de Janeiro e as tradições do judaísmo nos aspectos religioso, cultural e histórico e realiza exposições, em sua sede e em outras instituições, além de promover pesquisas acadêmicas sobre imigração e concursos para estudantes. 

Feambra: O que mais pode ser visto no museu? Onde podem ser encontradas informações?

Max Nahmias: Um Núcleo de Estudos do Holocausto, uma videoteca com mais de mil e duzentos títulos e uma biblioteca temática. No site do Museu, é possível ter acesso aos mais variados temas ligados ao judaísmo, entre eles anti-semitismo, história, nazismo, imigração para o Brasil e aspectos do Estado de Israel. Há informações também das coleções de José Feldman (hanuquiot), Egon e Frieda Wolff, Werner Nehab, Fritz e Regina Feigl e Salo Brand.

Feambra: O museu promove palestras e debates?

Max Nahmias: O museu possui um núcleo de estudos sobre o Holocausto, cuja finalidade é contribuir para difusão e debate de temas ligados ao Holocausto, com várias exposições, ciclo de palestras e conferências. 

Feambra: O que há no acervo do museu?

Max Nahmias: Livros, documentos, depoimentos de sobreviventes e grande quantidade de filmes sobre este assunto. 

Feambra: Quais são as parcerias do museu?

Max Nahmias: O museu integra-se aos esforços das instituições culturais que, em todo o mundo, preservam a memória das vítimas civis assassinadas pelo nazismo - entre as quais 6 milhões de Judeus, inclusive 1.500.000 de crianças - para que fatos tão trágicos jamais se repitam.

Feambra: Cite as atividades e materiais oferecidos pelo museu.

Max Nahmias:

-Exposições relativas a arte, cultura e história dos judeus;

-Arquivo de memória dos imigrantes judeus no Rio de Janeiro, composto de:

- Depoimentos gravados;

- Entrevistas transcritas e indexadas por temas;

- Documentos e fotografias;

- Arquivos de objetos cerimoniais e de uso cotidiano, com reprodução fotográfica e pesquisa.

- Filmoteca - filmes sobre assuntos judaicos;

- CDs e LPs de músicas ídiche e sefaradi;

- Cartões, pôsteres e livros - à venda;

- Cursos, palestras, conferências sobre temas judaicos em geral;

- Círculo de leitura;

- Lançamento de livros.

Feambra: O museu possui associados?

Max Nahmias: O museu não tem uma associação de amigos. 

Feambra: Como o Museu sobrevive?

Max Nahmias: Da mensalidade de um certo número de sócios e de doações para a realização de eventos.