Em Foco

05- Fevereiro - 2015

Amigos de museus compram retrato do príncipe d. João

 

Em breve, os visitantes do Museu Imperial, em Petrópolis (RJ), poderão contemplar o retrato em óleo do príncipe Regente d. João, pintura feita pelo artista português João Tomás da Fonseca (1754-1835). A obra será exposta com destaque, ao lado do chapéu que ele usa na obra, durante as comemorações dos 200 anos da elevação do Brasil à categoria de Reino, que a instituição prepara para este ano. Isso será possível em virtude da atuação da Sociedade de Amigos do Museu Imperial, que adquiriu o quadro de um colecionador e o doou ao museu.

Essa é uma das formas de contribuição das associações de amigos de museus em benefício dessas entidades, que tanto preservam nossa memória quanto divulgam nossas artes e propõem discussões para o futuro. Hoje, museus de história, de artes, de ciências, entre outros, buscam o auxílio da sociedade para atingir com mais sucesso suas finalidades.   

Essa é uma relação em que todos ganham: o museu passa a contar com importantes aliados para atingir seus objetivos e quem participa tem a satisfação de ajudar e é merecedor de respeito por seu engajamento.

Há inúmeras formas de os amigos de museus atuarem. Além de contribuir financeiramente para aquisição de obras ou, pontualmente, sanar necessidades dos museus, os amigos podem desenvolver projetos em leis de incentivo, realizar funções de atendimento – com o Educativo – ou mesmo internas, quando o museu necessita. Projetos de voluntariado ou mutirões são organizados pelas associações de amigos de museus, que contribuem em trabalhos mais simples, como pinturas de paredes, cuidar os jardins, limpeza e organização, ou até mesmo em funções mais complexas, na função de monitores de exposições, no auxílio ao restauro ou mesmo a curadoria. 

Há relatos ricos de associações de amigos desde os anos 1800, criadas inicialmente por filantropia, por famílias de alto poder aquisitivo que contribuíam para o sustento dos artistas ou como mantenedores dos museus. Mas, mesmo anteriormente, há várias citações sobre mecenas e sua valorosa contribuição para a cultura. Com o tempo, os amigos de museus foram se organizando e dirigindo suas atividades a vários segmentos diferentes dentro dos museus. 

É sempre bom lembrar que as associações de amigos de museus respondem diretamente à administração do museu em que atuam, trabalhando em consonância com diretrizes propostas por sua diretoria.

Quer conhecer mais como criar ou gerenciar uma associação de amigos de museu? Clique em  http://www.feambra.org/detalhe_secao.php?codigo=499 e baixe gratuitamente nosso guia.