Notícia

03- Maio - 2018

Feambra entrevista Ana Lourdes Costa, do Ibram

 

A Feambra conversou com Ana Lourdes Costa, coordenadora de Promoção e Gestão da Imagem Institucional do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram), para saber mais sobre a 16ª Semana Nacional de Museus. A ser realizada de 14 a 20 de maio, traz o tema “Museus Hiperconectados: Novas Abordagens, Novos Públicos”, tão atual. Confira:

 

Feambra: Qual a mensagem principal que deve ser passada na semana dos museus? O Ibram considera que os museus brasileiros estão hiperconectados e prontos para o novo público?

Ana Lourdes Costa: O tema é determinado pelo Conselho Internacional de Museus (Icom), a tradução é autorizada e o Ibram começa a trabalhar com este tema, que mostra debates que fazem parte do nosso dia a dia. Vivemos em uma sociedade em que uma parte da população está conectada e outra não, o que reflete dentro dos museus. Como os museus que não estão conectados (situação que ocorre por diversos motivos) podem discutir com os que estão? Como se comunicar com o novo público?

 

Feambra: Quem é esse novo público?

A.L.C.: É aquele que não apenas recebe, mas busca um diálogo, uma troca. Mas como o museu hiperconectado faz essa troca? Se um museu tem um espaço dialógico, ele já está falando com o novo público. Não pode ser apenas um repositório de informações, precisa oferecer um espaço para transformações sociais, para escutar e dialogar com o novo público. 


Feambra: Como os Amigos de Museus, a sociedade civil e o governo podem contribuir para melhorar esse cenário?

A.L.C.: O Ibram contribui ao propor esse tipo de reflexão. Pelos meios digital, internet e plataformas de participação social, o Ministério da Cultura (MinC) já vem trabalhando nesse sentido. Os gestores públicos e privados precisam se equipar para isso, se capacitar e propor formas de como vão trabalhar para ouvir, dialogar, trocar ideias, testar experiências. A novidade, a experimentação, são muito bem-vindas. Abrir o museu para fora. Quanto aos Amigos de Museus, como associação que trabalha em prol dos museus, por que não instigarem os espaços museais para isso? 


Feambra: Qual a expectativa de público para esta 16º Semana de Museus, considerando-se as atividades dos 1130 museus participantes? Podemos fazer um comparativo?

A.L.C.: A expectativa é que sempre aumente! Uma pesquisa de 2016 mostra que o aumento de visitação na Semana Nacional chega próximo a 75% se compararmos com a semana anterior. Ao comparar com a semana posterior, é quase 30% superior. Em relação ao mês anterior, o crescimento é de pouco mais de 20%.   


Feambra: Como os museus estão se preparando para a semana?

A.L.C.: É uma data de extrema importância para as instituições, assim como a Primavera dos Museus. Ficam motivados a criar uma programação, tem ampla divulgação. Ela gera aumento de público, fortalecimento da imagem, maior visibilidade, incentivo de realização de novas atividades culturais ao longo do ano e maior envolvimento da comunidade. Levanta ainda a questão de desenvolver projetos com outros museus do País, promove uma integração.


Feambra: Qual é o plano de divulgação do Ibram?

A.L.C.: O Ibram faz uma divulgação voltada aos museus e outra para o público. Abriu chamada pública para que empresas privadas entrem e façam parcerias, sem repasse de recursos financeiros. Dessa forma, elas divulgam sua marca e disponibilizam algum serviço. Neste ano, são parceiros a Infraero e a Rádio Verde Oliva. Divulgamos também nas redes sociais, além da comunicação feita pelos próprios museus. O guia da programação já está disponível em http://guiadaprogramacao.museus.gov.br/.