Comunidade

04- Dezembro - 2018

A Feambra comunica a chegada de dois novos associados

 

A Feambra tem o prazer de comunicar a chegada de dois novos associados: Doc-Expõe Gestão Museológica Documental e Pinacoteca Benedicto Calixto. Abaixo, estão mais informações.

 

Doc-Expõe Gestão Museológica e Documental

A empresa foi criada em 1996, quando Ângela Petitinga e seu antigo professor de faculdade, considerados referência em gestão de acervo na Bahia, foram convidados a catalogar o acervo histórico do IPHAN-BA. Desde então, as principais atividades da empresa foram documentação, projeto e execução do Museu Diocesano Dom José Tupinambá, da cidade de Sobral, no Ceará; do Memorial da Refinaria Landulpho Alves, na cidade de Mataribe, na Bahia; o projeto museográfico e a montagem do Museu Afro Brasileiro, da Universidade Federal da Bahia, em Salvador, entre outras diversas instituições museais em várias cidades do país, como Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

 

O principal objetivo da instituição é informar de maneira lúdica e harmonizar conteúdo e diversão, promovendo muita interação entre o público e as exposições, além de quebrar paradigmas e pensar “fora da caixa” na forma de gerir equipamentos culturais e levar ao público as ideias mais interessantes e criativas possíveis. Atualmente, conta com o trabalho de seus funcionários e não possui voluntários. No momento, está gerindo quatro memoriais e percebe o quanto a sociedade precisa de informação e cultura. Por esse motivo, pede, constantemente, o feedback de seus visitantes e das exposições que participam. Para 2019, espera fechar ao menos dois memoriais e montar seis exposições em diferentes capitais do Brasil: São Paulo, Rio de Janeiro, Belém, Brasília e Recife, com a exposição Rota Maya, que hoje encontra-se em avaliação da Lei Rouanet, para captação de recursos. 

 

Pinacoteca Benedicto Calixto 

Fundada em 2003 por Benedicto Calixto de Jesus. Natural de Itanhaém, ele viveu em Brotas, interior de São Paulo, onde começou sua carreira artística como pintor e realizou diversos trabalhos voluntários na igreja da cidade. Também pintava telas e retratos dos barões de café e de paisagens locais. Sua primeira exposição foi realizada em 1981, no salão do Jornal Correio Paulistano, na capital paulista e, no ano seguinte, foi convidado a participar da pintura interna do Teatro Guarany, em Santos. Esse trabalho lhe rendeu uma bolsa de estudos em Paris, onde frequentava o ateliê do mestre Rafaelli e a Academia Julien. Ainda na capital francesa, fez diversas exposições de sucesso. Já de volta ao Brasil, tornou-se pioneiro em pinturas a partir de fotografias. Produziu diversas obras que estão expostas em diferentes museus do Brasil, como o Museu Paulista.

 

Ao seu lado na fundação do museu estava o ceramista Armando Sendin, que também se destacava como pintor, teve diversas obras evidenciadas e foi reconhecido especialmente como precursor do realismo impressionista, pós movimento Pop Art. Atualmente, tem obras expostas no Palácio do Itamaraty, no Museu de Arte Moderna de São Paulo, entre outros.

O museu conta com diversas exposições temporárias ao longo do ano, de artistas renomados, tais como Cláudio Tozzi, Aldemir Martins, Roberto Burle Marx, dentre outros.

 

Hoje, a Pinacoteca conta com uma Associação de Amigos, que é composta por voluntários oriundos de diversos segmentos da sociedade santista. O grupo, preocupado em manter viva a história da cidade e sua identidade cultural, está aberto para novas adesões.